Série Gestão de Estoques

Como reduzir o excesso de inventário

СНПЧ А7 Самара, обзоры принтеров и МФУ

AbreVeja alguns fatores que devem ser observados para evitar desperdícios e reduzir o estoque.

Existem muitos métodos para reduzir o inventário e cada caso deve ser analisado individualmente. Mas listamos abaixo algumas ações que podem ajudar nesse processo.

Identificação

É preciso identificar e livrar-se de todo inventário sem valor. Um material pode ser definido como “sem valor” quando não tem demanda identificada (incluindo o consumo). O inventário pode recair nesta categoria por diversos motivos:

  • Velho demais
  • Fora de especificação
  • Excesso de retrabalho
  • Saldos (final de um lote)
  • Obsoleto
  • Matéria-prima ou material semi-acabado não mais necessário devido a alterações na lista de materiais
  • Materiais de transição ou sucata sem pontos de venda no mercado
  • O cliente converteu para um produto diferente (não deveria sobrar se o inventário fosse gerenciado corretamente desde o início)
  • “Fórmulas” iniciais de produto em desenvolvimento que hoje usam uma formulação diferente
  • Estoques de produto em desenvolvimento que nunca “decolaram” conforme o esperado

Esse estoque “para qualquer eventualidade”, mantido apenas em caso de alguém querer comprá-lo algum dia, não melhora com a idade. Se nenhuma demanda puder ser identificada para ele, enfrente a situação e livre-se dele. E enquanto estiver com ele, implemente políticas e procedimentos obrigatórios para evitar o acúmulo no futuro.

Acurácia

Garanta que as informações estejam corretas. Desde quando você não faz um inventário físico? Quando os funcionários do armazém vão separar o estoque indicado no sistema, em geral eles não conseguem encontrá-lo? A acurácia do seu inventário precisa ser próxima de 100% para garantir que você esteja obtendo o máximo do capital de giro cobrado para você. Algumas empresas descobriram milhões em “capital de giro” que se revelou fictício ao ser feita uma reconciliação física em relação ao sistema.

Análise

Avalie os dias de abastecimento por armazém individual dentro da “região de rebalanceamento”. Calcule em valores monetários e dias de abastecimento com base apenas na demanda por determinado SKU em um armazém específico. Existe muito em um armazém e pouco em outro? Em caso positivo, analise o custo de relocação do inventário ou de fazer algo mais pelo armazém com pouco estoque. Se os custos forem certos, rebalanceie os estoques (pelo menos dentro do seu modelo de trabalho) antes de continuar.

Desperdício

A forma mais fácil de reduzir o excesso de inventário é parar de fabricar mais e deixar que a área de vendas reduza o inventário. Compare a sua lista rebalanceada com os programas e planos de produção para garantir que não esteja fabricando ou planejando mais materiais já com excesso de estoque. Altere os planos ou programas adequadamente e atualize as projeções futuras do inventário para evitar desperdícios.

Movimento

Avalie as formas alternativas de “movimento” (venda) do inventário. Você já rebalanceou o inventário dentro de seus armazéns, porém ainda poderá descobrir excessos que não poderão ser reduzidos a níveis razoáveis dentro de um período aceitável. Para estes SKUs, análise se existem outras formas de movimentar o material:

Faça uma promoção. Transforme um problema de inventário em uma oportunidade de marketing oferecendo aos seus melhores clientes a um preço ligeiramente reduzido se eles dobrarem o volume mensal. É verdade que isto simplesmente mudará a demanda de um mês para outro, porém se a necessidade de reduzir o capital de giro for grande o suficiente e se você ajustar as suas previsões e planos de produção adequadamente, essa ainda poderá ser uma opção viável.

Este material pode ser substituído por outro, mesmo se o material a ser substituído for vendido por um preço um pouco mais alto?

É possível encontrar um mercado oportunista para o excesso de material? As empresas às vezes retiram seu nome de marca do produto, reembalam de forma mais simples e dão a ele um nome genérico para vendas em uma região mais distante de seus principais clientes.

Todas estas possibilidades devem, naturalmente, ser medidas em relação ao custo/benefício, incluindo a mensagem que você poderá estar inadvertidamente enviando ao mercado. Contudo, o fato de saber onde estão os seus excessos oferece opções para o que fazer com eles que o leigo não consegue nem mesmo investigar.

A Revista LOGÍSTICA

A revista LOGÍSTICA destaca-se por sua qualidade editorial e pauta criteriosamente estabelecida com o auxílio de um Conselho Técnico Editorial formado por profissionais experientes e atuantes no mercado de logística, com o objetivo de desenvolver reportagens criativas e atuais para os leitores. A participação constante em eventos nacionais e internacionais garante a antecipação de tendências aos leitores.