Condomínios e Operadores Logísticos

Notícias > Condomínios e Operadores Logísticos

Capital Realty recebe novo centro de distribuição da CBA em seu condomínio logístico

MEGAclItajaiA fabricante de produtos alimentícios implantou um novo centro de distribuição que está localizado no MEGA Centro Logístico Itajaí, empreendimento da Capital Realty, empresa especializada em terceirização imobiliária para as áreas de infraestrutura logística e varejo.

Leia mais...

Qopp Incorporadora e a GR Properties lançam mais um condomínio logístico com selo Green Building em Campinas

gr campinas 2-aerea2A grande procura de inquilinos por galpões modulares durante as obras do GR Campinas, primeiro condomínio de galpões industriais da região com certificação Green Building, levou a Qopp Incorporadora e a GR Properties a lançar um novo empreendimento com porte semelhante.

Leia mais...

Condomínios logísticos: cada vez mais atraentes

Condomínios Logísticos

Recentemente houve uma explosão no mercado imobiliário voltado à logística no Brasil.

Leia mais...

Condomínios logísticos: sucesso absoluto

condominios

Com o mercado em franco crescimento, esses empreendimentos tornam-se cada vez mais atraentes para seus futuros inquilinos

Leia mais...

CSI Cargo inaugura Centro Logístico II

Sergio-Luciano-corte-da-fita

O armazém, de 28 mil m2, será base para a desconsolidação de cargas da Renault/Nissan vindas de diversas partes do mundo

Leia mais...

Cresce demanda por serviços logísticos

Amparados pelo surpreendente crescimento do PIB, os segmentos

de logística externa e interna crescem mais de dois dígitos

 

Ninguém tem o número exato do crescimento do setor logístico no Brasil no último ano, mas acredita-se que seja superior a 20%, pois nunca foram adquiridos tantos equipamentos de movimentação e armazenagem de materiais, construíram-se tantos armazéns, centros de distribuição, condomínios logísticos, seja nas grandes cidades e capitais como nas pequenas cidades, sem falar dos polos logísticos.

A IBG – Indústria Brasileira de Gases – por exemplo, é uma das empresas que estão investindo no setor. Em março a empresa anunciou mais investimentos para aprimorar sua estrutura logística. A IBG destinará R$ 20 milhões para a compra de produtos importados, aquisição de novos equipamentos de distribuição, como tanques e carretas criogênicas, cilindros de alta pressão e veículos. Em 2010, já havia investido US$ 5 milhões especificamente para o setor de logística.

 

Condomínios logísticos

 

O segmento de condomínios logísticos cresce a olhos vistos no Brasil. As novidades nessa área são constantes. A MRVLog, por exemplo, subsidiária de logística da construtora MRV Engenharia, entregou em fevereiro seu primeiro centro de logística de alto padrão, em Jundiaí. O condomínio, que tem área construída de 33.744 m2, é composto por galpões modulares, área de escritórios, restaurantes, guarita blindada, vestiário, novas vagas para carretas e
caminhões, pé-direito de 12 m e piso resistente a 8 t/m2. A comercialização do empreendimento é feita com exclusividade pela Colliers International Brasil.

 

O condomínio logístico fica nas proximidades da Rodovia dos Bandeirantes. “A MRVLog investe em projetos classe A, que oferecem aos clientes abundância de docas, piso nivelado a laser, além de tratamento de esgoto e iluminação zenital. Os empreendimentos são flexíveis e atendem os mais diversos tipos de demanda industrial ou comercial”, afirma o diretor da MRVLog, Sérgio Fischer. Para o presidente da Colliers, Ricardo Betancourt, os condomínios logísticos são a nova tendência do mercado imobiliário industrial. Isso se justifica pela redução de custos e a flexibilidade de reunir num único ambiente todos os setores de uma empresa. “Nesse cenário, são boas as perspectivas de crescimento, em torno de 11,5% - aproximadamente 0,5% superior ao mercado de escritórios corporativos”, comenta.

 

A MRVLog aproveita o know-how na compra de terrenos no eixo rodoviário para atuar nesse segmento, tendo 750 mil m2 de ABL (área bruta locável) em projetos. A empresa tem, além de São Paulo e interior, terrenos para investir em Goiânia, Vitória, Campos, Macaé, Uberlândia e Londrina.

 

A Luft Food Service, empresa do Grupo Luft que oferece serviços de logística integrados ao mercado de food service, é cliente desse segmento e inaugurou um novo centro de distribuição resultado de uma operação de “Built-to-Suit” desenvolvida pela TRX Realty, empresa de investimentos especializada na terceirização de ativosimobiliários corporativos. O imóvel está localizado em Jandira (SP), nos entornos da Rodovia Castelo Branco.
O novo centro de distribuição tem 10.300 m² de área construída e conta com espaços de armazenagem para três temperaturas distintas - congelada (-20°C), refrigerada (5°C) e seca (temperatura ambiente).

Já o Mega Centro Logístico Itajaí, empreendimento da Capital Realty localizado em Santa Catarina, acaba de inaugurar um novo armazém. Em funcionamento desde 2004, o local ainda terá outras duas expansões, uma prevista para o fim deste ano e a outra para o início de 2012. Com o recente galpão, o centro logístico passou de 18 mil m² de área construída para 29 mil m². Os novos módulos de armazenagem atendem até cinco clientes, dependendo da necessidade de espaço desses futuros parceiros.

A ampliação do Mega Centro Logístico Itajaí representa aumento de 61% na capacidade de armazenagem. Foram cinco novos módulos entregues em fevereiro. Ao término da expansão, com os quatro armazéns finalizados, o empreendimento terá 52 mil m². O objetivo, segundo a empresa, é atender a demanda da região do Vale do Itajaí, que vivenciou um crescimento acima da média nos últimos anos.

 

Caminhão da JSL

 

 

Segundo Rodrigo Demeterco, diretor-geral da Capital Realty, a praticidade e a estrutura exclusivas do Mega Centro Logístico Itajaí continuarão sendo diferenciais da empresa. “A capacidade do piso e o pé-direito livre de 12,5 m são fatores que atraem novos clientes. Nossos módulos podem atender pequenas ou grandes demandas”, explica o empresário.

 

O centro logístico está em local estratégico, a seis quilômetros do porto de Itajaí e a 16 do porto de Navegantes. Além disso, o local fica no entroncamento da BR 101 – que atravessa 12 Estado brasileiros – com a SC 470 – principal rodovia de ligação da região oeste do Estado. Foi essa localização, segundo Rodrigo Demeterco, que favoreceu a ampliação.

 

“O movimento de importação e exportação e abastecimento interno do mercado na região é enorme. A demanda exige um centro logístico de qualidade, próximo aos pontos de interesse, que atendam quaisquer necessidades. Precisávamos ampliar para continuar atendendo nossos clientes da melhor maneira.” Ao todo, serão R$ 40 milhões investidos no processo de ampliação.

 

Já a Bracor está agregando valor aos seus empreendimentos, investindo na certificação LEED para seus centros de distribuição, concedida pelo USGBC (United States Green Building Council). O centro de distribuição da Procter & Gamble, desenvolvido pela empresa em Itatiaia, Rio de Janeiro, é o mais recente certificado. Esse é o terceiro empreendimento projetado pela Bracor que recebe a certificação.

 

A empresa foi responsável ainda pelo Parque Logístico Imigrantes, na Rodovia dos Imigrantes, primeiro imóvel logístico com certificação ouro no Brasil e na América Latina. O Parque Logístico Imigrantes tem área construída de 65 mil m2 e está totalmente locado para a Colgate-Palmolive. O empreendimento total tem localização estratégica, no entroncamento da Rodovia dos Imigrantes com o Rodoanel, e área de terreno de 655 mil m2.

 

O Parque recebeu investimentos da Bracor em parceria com a Elog, empresa contratada pelo grupo EcoRodovias. A Racional Engenharia foi a empresa contratada para o desenvolvimento da obra. O processo de certificação foi assessorado pela empresa Sustentax. Por estar em área de proteção de mananciais, o projeto do Parque Logístico Imigrantes atendeu os princípios da construção sustentável, adotando soluções para o conforto térmico, iluminação natural e utilização de águas pluviais, que diminuem a dependência de sistemas de ventilação, aquecimento e iluminação artificiais. 

 

O empreendimento também tem equipamentos de redução de consumo de energia elétrica e água, medidas que somadas fizeram cair o custo operacional de edifício em até 30% em relação a projetos convencionais.

Já na construção do centro de distribuição da P&G, em Itatiaia, foram investidos cerca de R$ 50 milhões. O imóvel faz parte do portfólio criado pela empresa, que busca projetar empreendimentos que atendam os requisitos de preservação e redução do impacto ambiental.

 

Novos negócios

 

Em relação a novos negócios fechados pelos prestadores de serviços logísticos, as novidades também são muitas. A JSL, por exemplo, anunciou a negociação de contratos adicionais no valor global de aproximadamente R$ 1,3 bilhão. Tal volume foi bastante significativo, tendo registrado em apenas três meses montante semelhante ao volume negociado durante os primeiros nove meses de 2010. Dessa forma, somandose as negociações ocorridas ao longo de ambos os períodos, a adição de novos contratos em 2010 totalizou aproximadamente R$ 2,5 bilhões, para ser capturados ao longo dos próximos 10 anos.

 

Já a Santos Brasil aumentou sua operação de abastecimento para a Mercedes- Benz. Antes dedicada apenas a peças de caminhão, agora prestará esse serviço para a montagem de ônibus. A operação acontece diariamente, por meio de um sistema que conecta a fábrica da Mercedes ao centro de distribuição da Santos Brasil. A separação e o transporte dos itens para atender a sequência de montagem nas linhas de produção da Mercedes- Benz seguem o modelo JIT (justin- time).

 

No total, serão cerca de seis mil peças movimentadas mensalmente, além de 1,5 mil paletes dedicados às peças de ônibus da montadora. A Santos Brasil investiu RS 10 milhões para atender a operação da Mercedes, incluindo a compra de 21 caminhões. A Ceva Logistics fechou contrato com a Levi’s para transportar confecções a partir de vinte pontos de origem em todo o mundo para o centro de distribuição da Levi’s em Itapevi (SP). A empresa também vai gerenciar os procedimentos de transporte internacional, desembaraço aduaneiro para importação e entrega.

 

Outro novo cliente da Ceva é a Honda, para a qual fará o transporte e cross-docking de peças de reposição da montadora no Estado de São Paulo, envolvendo a distribuição de peças e acessórios para o mercado de duas e quatro rodas, totalizando 203 concessionárias da marca. O contrato é de três anos, no valor de 5,9 milhões de euros (R$ 13 milhões).

 

Investimentos

 

Para atender a crescente demanda, os prestadores de serviços logísticos estão investindo. A ID Logistics, que tem como principal atividade a prestação de serviços de armazenagem, está investindo no transporte rodoviário de cargas, atividade que exerce desde 2009, porém utilizando a quarteirização, para a qual usa o serviço de 15 transportadoras. A meta é que os serviços de transporte representem 5% do faturamento da empresa já em 2011 e, para isso, não descarta a possibilidade de passar a atuar com frota própria. A empresa tem atualmente 21 operações logísticas no País e atua nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Norte.

 

A Expresso Jundiaí inaugurou em março mais duas unidades, nos municípios de Serra (ES) e Novo Hamburgo (RS). Na cidade de Serra, a unidade tem área de 2,6 mil m2 e está localizada estrategicamente em um dos polos de produtos farmacêuticos mais importantes do País. Já em Novo Hamburgo, a estrutura conta com uma área de 2 mil m2 e se encontra no Vale dos Sinos, junto à rodovia RS 239.

 

A Standard Logística é outra que está investindo em armazéns, disponibilizando R$ 10 milhões para a ampliação de seu armazém para cargas frigoríficas em Cubatão (SP). A unidade passará a ter uma nova câmara frigorificada, o que resultará em capacidade estática para 20 mil posições paletes, aumento de 33,3% sobre a atual oferta de espaço.

A cada dia, novas notícias de investimentos no setor. E continua o crescimento.

Seis tendências da operação logística

                                                                                                                               

operacaologisticaComo os operadores logísticos planejam o futuro? Aqui estão alguns dos fatores que determinarão como isso acontecerá

Leia mais...

Participe e Comente

A Revista LOGÍSTICA e SUPPLY CHAIN

A revista LOGÍSTICA e SUPPLY CHAIN destaca-se por sua qualidade editorial e pauta criteriosamente estabelecida com o auxílio de um Conselho Técnico Editorial formado por profissionais experientes e atuantes no mercado de logística, com o objetivo de desenvolver reportagens criativas e atuais para os leitores. A participação constante em eventos nacionais e internacionais garante a antecipação de tendências aos leitores.