Movimentação

Notícias > Movimentação

Logística reversa: sozinha não faz milagre

Página da central de trade-in da Best Buy

Você já olhou para o seu notebook com olhos de quem está louco para trocar por um novo? Pois bem, pode tirar essa ideia da cabeça, porque trocar um equipamento eletrônico fora de linha por um modelo novo, mesmo arcando com a diferença de preço (procedimento conhecido como “trade-in”) ainda está fora de cogitação no Brasil.

Leia mais...

Logística própria ou terceirizada? Motivos e critérios para a decisão

logisticaglobo                                                                                                    Não se precipite com o processo de decisão, pois são muitos os fatores que devem ser analisados para garantir o sucesso ou definir o fracasso da terceirização. Apesar da tendência atual para terceirização das atividades logísticas, verificamos muitas situações nas quais o processo foi mal conduzido, os resultados positivos demoraram a serem obtidos ou redundaram num verdadeiro fracasso.

Leia mais...

Logística não é só transporte

logisticanaotransporte

 

Muitos profissionais ainda confundem o conceito de logística com o de transportes.

Leia mais...

Saiba como selecionar os equipamentos adequados

forkliftgeneric

Os equipamentos de um armazém são aparentemente de fácil escolha, porém devem ser avaliados de forma a garantir um adequado fluxo de materiais.

 

Quando se avalia um armazém, um dos pontos mais visíveis são os equipamentos de movimentação e armazenagem de materiais (MAM). Muitas vezes, o projeto tem início pela seleção precipitada dos equipamentos, procedimento que deve ser evitado.

A rigor, tudo deve ter início pela avaliação da necessidade logística do armazém: do que, como e quanto vai estocar e com que freqüência e fracionamento será o processo de recebimento e expedição.

A partir dos pressupostos acima deve ser avaliada a infraestrutura necessária para o armazém: acessos, pátios externos, piso de alta resistência, telefonia, TI, sistema de combate a incêndio, etc.

Para o desenvolvimento do estudo interno do armazém, com diversas alternativas de layout, será necessária coleta detalhada da informação dos produtos que serão armazenados.

1. Para a avaliação dos aspectos físicos dos produtos a armazenar são necessárias as seguintes informações:

- Quantidade a armazenar: quantificar os produtos que serão armazenados, sua embalagem, unitização, dimensões, pesos, resistência ao empilhamento, etc;
- Densidade: quantificar os produtos idênticos (SKUs) e com a mesma data de validade que podem ficar estocados juntos;
- Acessibilidade: identificar e quantificar os produtos que devem ter acesso direto, principalmente no momento da separação (picking);
- Frequência (popularidade): identificar e quantificar quantas vezes cada um dos produtos é acessado para separação.

2. Obtidas as informações sobre os produtos que serão estocados será possível dar início ao dimensionamento e a pré-seleção dos equipamentos de MAM para cada uma das operações do armazém:
- Recebimento e expedição: áreas sem docas, ou com docas (em desnível) e niveladores serão necessários em função da frequência, dos tipos de caminhão (baú x sider) e se é carga estivada (fracionada) ou unitizada; empilhadeiras a contrapeso, a combustão ou elétricas em função das condições operacionais;
- Estoque de fundo: em função da quantidade, forma, unitização, resistência ao empilhamento, densidade, acessibilidade e freqüência, podem ser utilizados desde blocagem sobre o piso, racks empilháveis, estruturas porta-paletes convencionais, estruturas de trânsito interno (drive-in), estruturas dinâmicas, transelevadores, etc; empilhadeiras a contrapeso; combustão ou elétricas, mastro retrátil, trilateral, etc. em função das condições operacionais, largura do corredor, altura de empilhamento, questões ambientais, entre outras.
- Área de separação (picking): em função da quantidade, acessibilidade e frequência (popularidade) podem ser utilizados, desde os mesmos equipamentos usados para estocagem, dispositivos específicos para picking,  com e sem automação, até sistemas automatizados.

3. A partir do dimensionamento e da pré-seleção deve-se elaborar alternativas de layout do armazém, considerando as áreas de recebimento e expedição, estruturas de estocagem (com sua altura) e a largura dos corredores em função dos equipamentos de movimentação (transpaletes, rebocadores, empilhadeiras, etc), e os equipamentos de picking;
- Deverão ser identificados ou determinados os custos de equipamentos e construção para cada uma das alternativas.

4. A partir da elaboração, deve-se preparar a avaliação das alternativas, considerando:
- Características operacionais / produtividade, suas qualidades em atender aos objetivos para os quais foi projetado e armazém;
- As áreas de recebimento e expedição, estruturas de estocagem (com sua altura) e a largura dos corredores em função dos equipamentos de movimentação (transpaletes, rebocadores, empilhadeiras, etc), e os equipamentos de picking;
- Elaborar quadro comparativo considerando investimentos, custos operacionais, produtividade, etc.
- Revisar e reavaliar as alternativas até a aprovação de uma solução definitiva.

5. A seleção final dos equipamentos:
- Elaborar lista com especificação e quantidades dos equipamentos;
- Elaborar especificação técnica que permita uma compra correta dos equipamentos (considere a manutenção);
- Relacionar os fornecedores viáveis e realizar visitas técnicas, se necessário;
- Acompanhar o recebimento e testes operacionais.

Conclusão

 

Conforme pode ser visto, a especificação e seleção de equipamentos de MAM não deve ser precipitada e sim seguir os passos indicados de forma a garantir a eficiência do armazém.


Critérios para seleção de equipamentos

 

Aspectos físicos:
Quantidade (forma) a estocar;
Densidade (de produtos idênticos);
Acessibilidade (aos produtos);  

Frequência (de acesso aos produtos, popularidade).

 

Custos: Equipamentos (armazenagem e movimentação);
Construção e terreno.

Seleção: Cenário que otimize os aspectos físicos e custos.

 

 

(*) Antonio Carlos da Silva Rezende            

Logística de distribuição de alimentos perecíveis

food logistic

O gerenciamento da cadeia de abastecimento de alimentos perecíveis é extremamente abrangente e complexo, porém os obstáculos aumentam na fase de distribuição devido às dificuldades em assegurar a qualidade do produto, além da necessidade de manter os custos logísticos e os níveis de serviço sob controle, principalmente em um país com dimensões continentais e condições geoeconômicas e de infra-estrutura tão diversas.

Leia mais...

Participe e Comente

A Revista LOGÍSTICA

A revista LOGÍSTICA destaca-se por sua qualidade editorial e pauta criteriosamente estabelecida com o auxílio de um Conselho Técnico Editorial formado por profissionais experientes e atuantes no mercado de logística, com o objetivo de desenvolver reportagens criativas e atuais para os leitores. A participação constante em eventos nacionais e internacionais garante a antecipação de tendências aos leitores.