Supply Chain

Notícias > Supply Chain

MODERN Logistics opera voos comerciais com aeronaves cargueiras

СНПЧ А7 Самара, обзоры принтеров и МФУ

logo22Cerca de 20% do valor movimentado pelas maiores varejistas virtuais do mercado brasileiro, a B2W (dona de Americanas.com, Submarino e Shoptime) e a Via Varejo (Casas Bahia, Extra e PontoFrio), já são resultado de produtos oferecidos e entregues por outras companhias.

No modelo, conhecido como "marketplace", produtos de diferentes vendedores dividem espaço em uma mesma plataforma virtual.

No site Submarino, por exemplo, é possível encontrar itens vendidos pela própria loja, mas a maioria dos produtos expostos ali é oferecida por terceiros.
As companhias donas das plataformas de "marketplace" ficam com uma comissão (que, em geral, é de 15%) por venda de produto de outras empresas.

As vantagens de quem abre esse espaço para terceiros são um aumento praticamente ilimitado da quantidade de produtos que se pode oferecer, de um lado, e a redução de custos de estocagem, capital de giro e envio de mercadorias, de outro.

Nas lojas virtuais da Via Varejo, 200 mil dos produtos são vendidos pelo próprio grupo, enquanto o site da empresa expõe 2 milhões de itens, a maior parte de propriedade de outros 3.500 lojistas.
A B2W terminou o terceiro trimestre de 2016 com 4.400 vendedores diferentes mostrando suas ofertas no site.
Esses parceiros adicionam 1,5 milhão de produtos ao catálogo da empresa.


PESO
As vendas feitas por terceiros vêm ganhando espaço nos resultados dessas companhias. Na Via Varejo, elas passaram de 12% do valor movimentado no terceiro trimestre de 2015 para 21,3% no mesmo período de 2016. Também no terceiro trimestre, o "marketplace" da B2W gerou R$ 571 milhões em vendas, 19% de todo o valor movimentado pela companhia (crescimento de 117% em comparação com o mesmo período do ano anterior).

Seguindo a tendência, A Netshoes, de produtos esportivos, e o Magazine Luiza tornaram seus sites "marketplaces" no ano passado. Em 2015, a varejista de moda Dafiti fez o mesmo movimento. Malte Horeyseck, sócio-fundador da Dafiti, diz que o "marketplace" permite à companhia ampliar o número de produtos destinados a nichos, enquanto a empresa deve seguir como a responsável pela venda dos produtos com maior giro.

"Em geral, 80% das vendas são geradas por 20% dos produtos. Chega um ponto em que ampliar o catálogo fica difícil. Os parceiros nos ajudam a fazer isso sem muito risco", afirma Horeyseck. No Mercado Livre, pioneiro no segmento de "marketplace" no Brasil e que atua apenas com itens de terceiros, o número de anúncios saltou de 17 milhões em setembro de 2015 para 40 milhões em outubro de 2016, diz Helisson Lemos, presidente da empresa para o Brasil.

A companhia teve receita líquida no Brasil de US$ 131 milhões no terceiro trimestre, um crescimento de 76%.
Lemos diz acreditar que há uma tendência de os "marketplaces" concentrarem a maior parte das vendas da internet. "Queremos mudar o hábito do brasileiro para comprar tudo em um lugar só. É como, em vez de visitar sete lojas de rua, fazer todas as compras em um shopping."

CONSUMIDOR
O fato de um produto ser entregue por empresa diferente da dona do site onde a compra é fechada não exime nenhuma das empresas em caso de algum problema na compra, diz Fátima Lemos, assessora técnica do Procon-SP. Segundo ela, quem usa sua plataforma para oferecer produtos de terceiros está chancelando a oferta da outra empresa, o que cria responsabilidade em caso de atraso no envio ou de recebimento de produto danificado. Segundo ela, quanto menos clara é a identificação de que a venda é feita por um parceiro, maior a responsabilidade da plataforma de "marketplace" por solucionar problemas. "Muitas vezes o consumidor nem sequer sabe direito de quem está comprando."

Participe e Comente

A Revista LOGÍSTICA & SUPPLY CHAIN

A revista LOGÍSTICA & SUPPLY CHAIN destaca-se por sua qualidade editorial e pauta criteriosamente estabelecida com o auxílio de um Conselho Técnico Editorial formado por profissionais experientes e atuantes no mercado de logística, com o objetivo de desenvolver reportagens criativas e atuais para os leitores. A participação constante em eventos nacionais e internacionais garante a antecipação de tendências aos leitores.