Transportes

Notícias > Transportes

Novo Terminal Intermodal de Jundiaí melhorará o acesso ao Porto de Santos

Intermodal Jundiaii22A partir de dezembro, as regiões de Jundiaí e Campinas contarão com uma solução mais eficiente e competitiva para exportações, importações e logística doméstica via ferrovia até o Porto de Santos.

Operado pela Contrail Logística, em uma área de 75 mil metros quadrados, o Terminal Intermodal de Jundiaí (TIJU) foi construído junto à linha férrea da MRS e terá capacidade para movimentar 70 mil TEUs (contêineres de 20 pés) por ano. O TIJU está localizado em uma das regiões mais industrializadas do país: a 30 Km de Campinas e a 50 Km de São Paulo. Além da possibilidade de receber e enviar cargas pelas rodovias dos Bandeirantes e Anhanguera, o terminal se conecta diretamente a uma das ferrovias mais produtivas do mundo, com uma malha de 150 km até o Porto de Santos e 480 Km até os portos do Rio de Janeiro.

A operação intermodal pode beneficiar especialmente indústrias ligadas à importação (de insumos) ou exportação (de bens acabados), localizadas em cidades próximas a Jundiaí e Campinas, como Cajamar, Louveira, Vinhedo, Valinhos, Itupeva, Salto, Campo Limpo Paulista, Várzea Paulista, Itu, Amparo e Itatiba.

Em um cenário econômico de baixo crescimento e de busca por eficiência, a ferrovia oferece baixo custo, previsibilidade, acesso sem filas ao porto, um nível elevadíssimo de segurança operacional (baixo índice de acidentes) e da carga (índices quase nulos de roubo) – estes dois itens reduzem também custos com seguros. Além disso, o transporte ferroviário tem baixo impacto ambiental (uma composição ferroviária, com 21 vagões, transporta o equivalente a 42 caminhões).

Pulmão de cargas
Com sua localização privilegiada e com a integração entre modais de transportes, o TIJU também reduz custos dos clientes com armazenagem de cargas, uma vez que os contêineres podem ficar na área da Contrail, liberando espaço nos estoques das indústrias. Dessa forma, o empreendimento funcionará como um “pulmão logístico”, regularizando o fluxo operacional e evitando grandes picos de demandas.

Por conta de suas características, o terminal pode beneficiar especialmente empresas do segmento de tecnologia e eletrônicos, que têm fábricas na Zona Franca de Manaus e utilizam o serviço de cabotagem (navegação doméstica) para distribuir seus produtos na região de maior consumo, a Grande São Paulo. Outras indústrias que podem ter ganhos logísticos são as que utilizam insumos importados, aproveitando o fluxo de retorno dos trens do Porto de Santos no sentido do interior.

E como este terminal terá um movimento significativo de contêineres, praticamente qualquer tipo de carga pode ser transportada pelos trens: desde commodities agrícolas até produtos com médio e alto valores agregados. Dentro do contêiner, a carga pode passar pela rodovia, ferrovia e marítimo de uma forma bem prática.

Do porto à porta
A Contrail vai operar toda a gestão do transporte feito por meio do terminal, desde o porto até a porta do cliente. E ao longo do 2018, o Terminal Intermodal de Jundiaí também deve operar com cargas com origem ou destino no Rio de Janeiro, por meio da malha ferroviária da MRS.

“Acreditamos que o transporte multimodal é a solução logística mais eficiente e sustentável e a melhor escolha nas operações envolvendo o Porto de Santos. Com a economia voltando a crescer, é fundamental para o mercado ter uma alternativa ao modal rodoviário, com custo competitivo e outras vantagens”, diz Rodrigo Paixão, CEO da Contrail.

Crescimento ferroviário
A movimentação de cargas por ferrovia no Porto de Santos tem crescido significativamente: de um total de 15,1 milhões de toneladas em 2008 para 113 milhões de toneladas em 2016 (entre importação e exportação). Atualmente, a participação do modal ferroviário neste porto é 27% do volume total movimentado e deve chegar a 40% nos próximos dez anos.

Somente no primeiro semestre de 2017, o volume das ferrovias no Porto de Santos cresceu 14%, no comparativo com mesmo período do ano passado. E a movimentação de contêineres é a que mais vem aumentando. Na MRS, esta modalidade deu um salto de 64% nos últimos três anos, totalizando 79 mil TEUs em 2016. Neste ano, a movimentação total deve chegar a 85 mil TEUs. Este resultado é fruto dos investimentos contínuos em duplicações, melhorias na via férrea, novos terminais e desenvolvimento de material rodante. A MRS investiu R$ 450 milhões, nos últimos 5 anos, em projetos como a Segregação Leste, aquisição de locomotivas especiais (Stadlers) para a transposição da Serra do Mar, a duplicação do trecho Perequê-Santos, a ampliação do pátio de Santos, entre outros projetos estruturantes para a Baixada Santista.

Solenidade de lançamento
A Prefeitura de Jundiaí realizará uma solenidade de lançamento do terminal, na próxima terça-feira (28/11) às 8 horas, no Paço Municipal (Avenida da Liberdade s/n°, Jardim Botânico). O Terminal Intermodal de Jundiaí fica na Avenida Antonio Frederico Ozanan, 1.805 (Jardim Shangai).

Participe e Comente

A Revista LOGÍSTICA & SUPPLY CHAIN

A revista LOGÍSTICA & SUPPLY CHAIN destaca-se por sua qualidade editorial e pauta criteriosamente estabelecida com o auxílio de um Conselho Técnico Editorial formado por profissionais experientes e atuantes no mercado de logística, com o objetivo de desenvolver reportagens criativas e atuais para os leitores. A participação constante em eventos nacionais e internacionais garante a antecipação de tendências aos leitores.